Buscar

O QUE FAZER EM LONDRES #2: região de City of London

No primeiro post sobre Londres, comentei que eu e meu esposo fizemos uma lista dos lugares que gostaríamos de conhecer na cidade. Dentre eles, estava a Catedral de Saint Paul (muitos relatos de que era linda!) e a Igreja dos Templários (confesso: foi por causa de “O Código Da Vinci”!). Por isso, dedicamos um dia de nossa viagem à região de City of London, onde ficam essas e outras atrações!


Assim como Westminster, City of London é uma região administrativa de Londres. A primeira vista, pode parecer um distrito novo e de construções futuristas, mas foi nessas redondezas onde tudo começou, com a fundação, pelo romanos, da cidade que deu origem à atual Londres! Após alguns séculos e algumas tragédias (dentre elas o grande incêndio de 1666), a área se modernizou e hoje abriga o distrito financeiro da cidade - além, claro, de tesouros do passado.


Porém, começamos o dia (lá pelas 08h30min) na Plataforma 9 ¾ na estação King`s Cross (que, como eu comentei nesse post, ficava pertinho da nossa hospedagem), pois queríamos garantir nossa clássica foto “atravessando a parede para pegar o Expresso de Hogwarts”. Nesse horário, encontramos o local BEM mais vazio que no final da tarde do dia anterior (quando a fila dava voltas e mais voltas).


Fila para tirar foto na Plataforma 9 3/4 da estação King`s Cross, no final da tarde.

Pela manha, só tivemos que esperar um casal e uma mãe com sua filha . Depois, já era a nossa vez de fazer fotos.

Você pode fazer fotos individuais e em dupla (normal ou "duelando").

Embora esteja em um local aberto e público, o “cenário” é administrado pela lojinha (de produtos do Harry Potter) que fica ao lado da famosa placa e é responsável por colocar o carrinho (com as malas) e fornecer a varinha e o cachecol que os visitantes utilizam para fazer a clássica foto. O cenário e os funcionários ficam disponíveis das 08h30 às 22h. Pela noite, o carrinho com as malas é retirado e fica só a placa “Platform 9 ¾”.

Existe um fotógrafo oficial que, claro, tira a foto com uma câmera profissional e se posiciona no melhor ângulo, mas você também pode tirar as fotos com seu próprio celular ou câmera – sai de graça. Caso esteja sozinho, é só pedir para alguém da fila tirar a foto para você (todo mundo colabora). Dá para fazer poses, tirar foto em dupla etc – os funcionários já tem todas as manhas e te orientam sobre como se posicionar! Nós decidimos não comprar as fotos oficiais (embora sejam realmente muito boas), pois achamos o preço meio salgadinho.



Depois de garantir nosso registro, pegamos o metrô e descemos próximo a Loja da Twinnings - que ainda estava fechada. Fomos até a Igreja dos Templários (bem pertinho, uns 5 minutos de caminhada), mas também parecia fechada. Por isso, voltamos para a Loja da Twinnings, esperamos mais uns 10 minutos e ela logo abriu.


Fotos da entrada da loja, onde tudo começou.

No local, que é a loja de chás mais antiga da cidade. são vendidas dezenas de variedades do produto, tanto em caixas quanto em sachês individuais. Além disso, ao lado de cada tipo, há um sachê dentro de um potinho de vidro que te permite sentir o aroma daquele sabor. Para quem gosta de chás, é uma ótima oportunidade de comprar sabores diferentes. Eles tem até uma linha mais “medicinal”, que eu desconhecia: chás digestivo, detox, embelezador (“glow”), para dormir (“sleep”), calmante (“calm”) e assim por diante.


Algumas das variedades de chás a venda na loja.

Nos fundos da loja, acontece uma pequena degustação de chás e, quando fomos, estavam oferecendo dois tipos (provei um chinês, bem exótico). A loja também vende cafés e produtos (como biscoitos e chocolates) para harmonizar com as bebidas. Vale muito a pena se você é fã da marca ou de chás em geral, além de ser uma boa opção de presente - já que eles vendem caixinhas de chás feitas em madeira, de diversos tamanhos, e você pode escolher os sachês para preenchê-la. Outra coisa bacana do lugar: como eles vendem sachês por unidade, você pode levar apenas 1 saquinho de chá e, assim, provar muitos e muitos sabores diferentes!


De lá, seguimos para a Igreja dos Templários ("Temple Church"). A Igreja fica "fora" da rua, em uma espécie de vila. Usamos o Google Maps e encontramos o local sem dificuldades. Entramos pela lateral (se a porta estiver fechada, mesmo assim, dê uma conferida, pois ela pode estar só encostada) e compramos o ingresso na hora. A Igreja (muito bem preservada, aliás) conta com uma explicação bastante rica e completa sobre os cavaleiros templários e o próprio local. A arquitetura, em si, não chega a ser grandiosa e surpreendente - seu diferencial é o formato arredondado, que contrasta com o de outras igrejas.


Arquitetura diferenciada da Igreja. OBS.: foto #nofilter em um raro momento de trégua das nuvens cinzentas e da garoa constante =D

Na minha opinião, os pontos fortes da visita são a oportunidade de ver os túmulos dos cavaleiros templários (e se sentir no filme “O Código da Vinci”) e o fato do local ser menos turístico, permitindo uma visita bem tranquila. Atenção: o horário de funcionamento varia conforme o dia da semana; confira o site oficial para programar sua visita.

Interior da Igreja, com suas efigies de cavaleiros e explicações históricas.


Saímos da Igreja por volta das 11h e almoçamos num pub da rede JD Wetherspoon (o "The Knights Templar" - 95 Chancery Lane/ Off Carey Street, Near Fleet Street, London WC2A 1DT ) que ficava por perto.


A JD Wetherspoon é uma rede de pubs (e hotéis) espalhada pelo Reino Unido que oferece, além de grande variedade de cervejas, comida (café-da-manhã tradicional inglês, hambúrgueres, massas, pizzas etc) por preços justos. Mas atenção: 1) os preços e a disponibilidade de pratos variam de um pub para outro (esse em que almoçamos, por exemplo, era excelente tanto em variedade quanto em valores. Já o que ficava perto da Torre de Londres era mais caro); 2) cada pub tem um nome diferente e nem sempre o Google Maps consegue localizá-los! Para encontrar o JD mais próximo de você, entre no site e peça para ele localizar o pub mais próximo (“Show me my nearest pub or hotel”). Eu pedi um prato de massa com molho Alfredo e meu esposo um prato de comida tradicional inglesa.

JD Wetherspoon: lugar bacana e preço justo. Fique esperto: não há serviço de mesa! Os pedidos devem ser feitos e retirados diretamente no balcão.


De lá, seguimos para a Catedral de Saint Paul. Nós compramos ingressos antecipados pelo site (£17 cada - £3 a menos do que o ingresso no local, mas não esqueça de acrescentar o IOF e contar com possível variação do câmbio!); não há necessidade de reservar horário (no momento da compra, você escolhe apenas a data da visita). Porém, quando fomos (uma quinta-feira, início da tarde), quase não havia fila para comprar ingressos no local, nem para entrar. Nosso ticket incluía um audioguia e a visita à catedral, à cripta (onde estão túmulos e memoriais de pessoas famosas), à galeria dos sussurros ("Whispering Gallery"), à galeria de pedra ("Stone Gallery") e à galeria dourada ("Golden Gallery").


A Catedral em si é realmente espetacular: imensa, com a estátua gigantesca e imponente do Duque de Wellington logo na entrada e uma cúpula lindamente pintada. A título de curiosidade:

- a Saint Paul`s Cathedral recebeu o casamento do Príncipe Charles e da Princesa Diana;

- a Catedral data do século XII, mas foi reconstruída inúmeras vezes em decorrência dos danos que sofreu, como o grande incêndio de Londres, de 1666. A igreja que vemos hoje é resultado do trabalho de Cristopher Wren;

- a Igreja incrivelmente sobreviveu aos bombardeios da 2ª Guerra Mundial.

A famosa e imponente cúpula da Catedral de São Paulo. Não são permitidas fotos no interior da Igreja.

No dia da nossa visita, a "Whispering Gallery" estava fechada. Assim, conhecemos apenas as Galerias de Pedra e Dourada, que nada mais são do que mirantes (abertos), situados no alto da cúpula, que te fornecem uma vista incrível de Londres! Você enfrenta escadas (e, no nosso caso, também havia muuuuito vento gelado), mas vale a pena o sacrifício!

A vista compensa a subida e a passagem por os degraus estreitos! Durante nossa (curta) visita, o tempo realmente foi de "fechado com garoa fina" a levemente ensolarado...


Depois de cerca de uma hora e meia de visita, fomos para a próxima parada do nosso roteiro: a Millenium Bridge. Essa ponte futurista foi inaugurada pela Rainha Elizabeth II no ano 2000, mas precisou passar por reformas para conter a instabilidade e as vibrações, sendo reinaugurada para o público apenas em 2002. O local também foi cenário do filme “Harry Potter e o enigma do príncipe” (lembra dos dementadores e da ponte sendo destruída)?

Millenium Bridge, nuvens escuras... só faltaram os dementadores!

Do outro lado, está o Tate Modern, considerado o mais importante museu de arte moderna do Reino Unido. O local abriga obras de Pablo Picasso, Salvador Dalí e Andy Warhol em sua exposição permanente, além de realizar exposições sazonais. Ah! E a entrada é de graça! Nós não visitamos esse museu, mas caso queira inclui-lo em seu tour por Londres, aqui vai o site oficial para mais informações: https://www.tate.org.uk/visit/tate-modern


Depois de curtir a travessia na Millenium Bridge, fomos ao Borough Market. O plano, na verdade, era almoçar nesse mercado, mas como estávamos com muita fome, fomo ao JD Wehtherspoon que estava mais perto. Porém, recomendo muito uma experiência gastronômica no local. Como mencionado no Insta do Formigas Viajantes, o Borough Market vende produtos locais e orgânicos, comidas das mais variadas culinárias (espanhola, tailandesa etc), além de doces, sucos, queijos, chocolates e alimentos vegetarianos e veganos. Eu comi uma torta de amêndoas absolutamente inesquecível. Atente apenas que o lugar não oferece mesas e cadeiras – existem apenas alguns bancos coletivos. É meio que pegar e sair andando e comendo...



Ainda desse lado do Rio, fizemos uma caminhada pela região de Southbank, passeando entre seus edifícios modernos e luxuosos. Essa região, às margens do Tâmisa, também oferece um excelente ângulo para bater foto da Tower Bridge, verdadeiro ícone de Londres! Do lado de cá do Rio, outro bom lugar para fotos do monumento é próximo à Torre de Londres!


Como ainda estava relativamente cedo (16h30), decidimos conhecer a Tower Bridge por dentro! Compramos o ingresso na hora (£9,80 por pessoa) e não encontramos filas (talvez porque já estivesse próximo do horário de fechamento da atração – 17h). Se você comprar pela Internet, sai, em tese, um pouco mais barato (£8,80), mas não se esqueça de contabilizar a oscilação da libra e o 6,38% de IOF!

Tower Bridge: ícone de Londres!

A visita começa com um vídeo explicativo (em inglês) na primeira torre. Depois, você caminha pela passarela que une as duas torres (e que tem chão de vidro!) e termina na segunda torre. Subida e descida são feitas por elevador. De lá, é preciso sair e caminhar pelo lado de fora até a parte final do passeio, onde você pode conhecer o mecanismo de funcionamento que permite a abertura da ponte para passagem das embarcações. A visita termina em uma lojinha de souvenir!

Vista da passarela que liga as duas torre da Tower Bridge.

Na nossa opinião, a atração vale super a pena: a gente conhece um ícone de Londres, aprende um pouco de sua história e sobre os diversos tipos de pontes. Além disso, o chão de vidro da Tower Bridge é SEN-SA-CIONAL! Dá aquele friozinho na barriga ao andar – milhões de vezes mais legal que o da Torre Eiffel, que eu, particularmente, achei bem sem graça!

Pernas bambas pra que te quero!

IMPORTANTE: a ponte não abre e fecha todos os dias! Para saber os horários e poder curtir a engenhoca funcionando, consulte o site: https://www.towerbridge.org.uk/lift-times/ Na bilheteria também há um display informando os próximos dias e horários nos quais a ponte vai se abrir para a passagem das embarcações.


Terminamos nosso dia jantando um lámen do Itsu, franquia de comida japonesa que tem várias unidades espalhadas por Londres. Sinceramente, não gostei e não recomendo (o lámen era sem graça e tinha gosto muito forte de coentro).

GASTOS DO DIA (valores de abril/2019):

Compra de Chás na Loja da Twinnings: £7

2 ingresso para a Igreja dos Templários: £10

Almoço para 2 no JD Whetherspoon: £21

Doces no Borough Market: £6

2 ingressos para a Tower Bridge: £19,60

Janta no Itsu: £19,77

Comprinhas no supermercado (Waitrose): £8,56

Total para duas pessoas: £91,93


O que você achou do nosso roteiro? Ficou com alguma dúvida? Deixe nos comentários!


Inscreva-se no nosso blog para ser notificado das próximas postagens e curta nosso perfil no Instagram para ver fotos dessa e de outras viagens das Formigas!

0 visualização
  • Black Instagram Icon

Formigas Viajantes - 2019

Viagem - Turismo - Dicas

  • Black Instagram Icon